2 Comentários

O VENTO PELA FECHADURA [STEPHEN KING]

o-vento-pela-fechaduraLivro: O Vento Pela Fechadura
Série: A Torre Negra
Autor: Stephen King
Páginas: 283
Gênero: Literatura Estrangeira, Ficção, Fantasia
Editora: Suma de Letras
Avaliação:

SINOPSE

 

 

 

 

 

 

 

Em “O vento pela fechadura”, Stephen King retorna ao Mundo Médio, cenário da “A Torre Negra”. O novo livro encaixa mais uma peça no vasto quebra- cabeças que cerca a saga, oferecendo lendas e histórias fantásticas de Gilead, ao mesmo tempo em que investiga o passado doloroso do pistoleiro Roland Deschain. No meio do caminho entre o Palácio Verde e Calla, o pistoleiro Roland Deschain e seu ka-tet — Jake, Susannah, Eddie e Oi, o trapalhão — são obrigados a acampar numa cidade fantasma. Caso contrário, seriam congelados com a chegada súbita e mortal de uma borrasca, tempestade única ao Mundo Médio. Para afastar o tédio da espera, Roland distrai o grupo com uma história de seu passado. Porém, no centro dessa lembrança, o jovem Roland, do passado, também narra uma fábula de sua infância, registrada em seu livro favorito: “O vento pela fechadura”. A lenda do menino Tim e suas aventuras em busca do mago Merlyn acabam revelando muitas verdades sobre Gilead, o Mundo Médio e o Pistoleiro.

 

EU LI

 

 

 

 

 

 

 

Para aqueles que não sabem, “O Vento Pela Fechadura” é uma especie de Bonus do DVD, da série “A Torre Negra”, que – eu já disse isso antes, vou dizer de novo, e provavelmente, não pela ultimas vez – é um das minhas séries favoritas, de todos os tempos! E eu estava super ansiosa para lê-lo. Tanto que apressei a leitura do livro que já tinha começado, antes de ganhar este. Mas eu fiquei um pouquinho decepcionada, porque (só para variar) não li a sinopse, e achei que fosse passar um pouco mais de tempo com o Roland e companhia… O que não aconteceu. Certo, o Pequeno Gafanhoto, Roland, estava lá uma boa parte do tempo, mas para o resto do ka-tet do 19, foi praticamente um “Senta Que Lá Vem a História”.  Mal deu para matar a saudades… Mas tudo bem! Vou parar de mimimi, o livro é MUITO bom, eu A-DO-RE-I as duas estorias que o Roland conta! A primeira é um mistério sangrento, e a segunda é uma aventura cheia de magia, dois dos meus gêneros favoritos no mesmo livro, obrigada! Mas este não é um livro de contos, só para deixar bem claro. É algo como a estoria, dentro da estoria, dentro da estoria… exatamente assim. Parece confuso, mas não é. Roland e seu grupo, ficam presos em uma tempestade e para passar o tempo o pistoleiro conta uma história de quando ele era jovem e foi mandado para ajudar uma cidadezinha que estava sofrendo ataques terríveis de um Trocapeles – uma criatura capaz de se transformar em qualquer tipo de animal. Lá ele conhece um garotinho, a quem ele conta uma das estorias do seu livro de infância favorito, chamado: “O Vento Pela Fechadura”. E ai esta: a estoria, dentro da estoria, dentro da estoria. Deu para entender? Espero que sim…

A parte do Trocapeles (o mistério sangrento), se passa em uma cidadezinha do Baronato, que fica lá onde o Diabo perdeu as botas, para onde o Roland, com seu amigo Jamie (que é citado nos outros livros, mas nunca tinha realmente aparecido), é enviado, porque tem uma criatura lá, literalmente, se banqueteando com os moradores do lugar, o tal do Trocapeles, que pode se transformar em qualquer tipo de animal e, em proporções gigantescas. Dá para imaginar que é muito sangue, né? Tem um tiozinho, que morre de um jeito… achei muito tri e trash ao mesmo tempo, pena que não da para contar mais do que isso…

Mas o destaque vai para a estoria que da nome ao livro: “O Vento Pela Fechadura”, que é um infanto-juvenil! – E é claro que eu adorei, porque eu tenho uma coisa por infanto-juvenil, sempre a sessão mais fácil de me achar nas livrarias. – O que faz todo o sentido, já que este é um conto tirado de um livro que a mãe do Roland lia para ele, quando pequeno. – Bem que o sai King podia lançar o livro todo, eu não ficaria triste – Esta é a historia de Tim, e aconteceu antes de o avô do seu avô nascer, em outra cidadezinha nos cafundós do Baronato (porque, aparentemente as coisas só acontecem lá), as margens de uma floresta, onde ninguém é maluco de entrar, porque ela é super perigosa, com direito a dragões e uns bichos bem nojentos, que só existem lá mesmo, e um povos meio esquisitos. E por isso tudo, nenhuma surpresa quando o Tim vai parar lá, porque ele acha que é onde fica a casa do grande mago Mearlyn, a quem ele pretende pedir um favor.

Para quem leu “A Torre Negra” tem uma coisinha aqui e outra ali, no conto do Tim, sobre Marten Broadcloak, que não fazem diferença na estoria geral, e pelo menos uma eu gostei de saber, mas não posso falar sobre isso sem dar spoiler – o que é meio irritante as vezes… Mas posso dizer que, provavelmente, vou ser a unica empolgada com isso, não é grandes coisas.

Já aqueles que não leram a série  “A Torre Negra” (estão esperando o que?)  “O Vento Pela Fechadura” não é um livro proibido, porque vocês não vão ficar perdidos, mas eu realmente não sei porque alguém iria querer começar pelo meio…

 

PLAYLIST

 

 

 

 

 

 

 

Eu tenho uma playlist para toda a saga de “A Torre Negra” com musicas que fazem parte da estoria dos livros e, por isso, ela não é muito longa, mas faz toda a diferença.

 

A TORRE NEGRA [OUÇA AQUI]

 

TORRE NEGRA1.Paint It Black – The Rolling Stones
2.Someone Saved My Life Tonight – Elton John
3.Hey Jude – The Beatles
4.Velcro Fly – ZZ Top
Anúncios
Deixe um comentário

BOOK HAUL DO MÊS DE JUNHO

BOOK_HAUL_02

 

 

Eu quase me esqueci de fazer o 1º Book Haul do My Little Book Thing!  Mas ainda esta em tempo, eu me perdoo… Vamos lá.

 

Em Junho eu comprei 4 livros, que só para variar não deveria (o que aparentemente é o mantra de todo mundo), mas como resistir?  É muito difícil!

 

LIVRO_32

 

O OCEANO NO FIM DO CAMINHO

 

O primeiro livro que comprei este mês foi “O Oceano no Fim do Caminho” (que ninguém deve mais aguentar ouvir falar aqui no blog), do Neil Gaiman. Foi uma compra inevitável. Já falei antes, o Neil é um dos meus autores favoritos, então quando ele lança um livro, eu compro. Simples assim. Não quero nem saber a sinopse. E nunca tive nenhum arrependimento!

 

LIVRO_28

 

 

OS FILHOS DE ANANSI

 

Ainda com o Neil Gaiman, eu comprei “Os Filhos de Anansi”, que por incrível que pareça, ainda não li, mas vou corrigir isso, dentro em breve. Eu não faço ideia do que se trata, só que tem uns Deuses metidos no meio. O que, para mim, esta ótimo, o Neil realmente se da muito bem com este negocio de Deuses.

 

LIVRO_27

 

 

OS OLHOS DO DRAGÃO

 

Eu venho namorando “Os Olhos do Dragão” do Stephen King (parece que meu ano tem girado entorno dele), já faz um tempinho, mas eu REALMENTE estava tentando não comprar livros novos (tenho um monte deles para ler em casa) e até que estava funcionando, me aguentei firme por 2 meses, mais ou menos, até “O Oceano no Fim do Caminho”. A partir dai foi só ladeira abaixo. Então, por quê não “Os Olhos do Dragão”, né?

E porque eu vinha querendo este livro? Bom, tudo gira entorno de roda, e no meu caso, entorno da “Torre Negra”, e este livro, assim como “A Hora do Vampiro” (que ganhou titulo novo agora, mas não lembro qual), tem algum tipo de ligação com esta serie do sai King. E agora eu tenho ou dois! Mas não tive coragem de ler “A Hora do Vampiro” ainda, ai.. ai…

 

LIVRO_29

 

 

O CORAÇÃO DOS HERÓIS

 

Se ninguém reparou ainda: eu tenho um probleminha com sinopses! Ela são com trailers de filmes, feitas para vender a coisa, e não necessariamente verdadeiras. Então eu costumo abrir o livro e ler um pedaço dele para ver se gosto do texto. Por isso, tudo que sei sobre “O Coração dos Heróis”, de David Malouf, é que tem haver com a guerra de Troia. Espero que seja bom, eu adoro historia, a guerra de Troia, e espero também que não tenha aquele mimimi todo sobre Helena, não tenho paciência para isso…

 

LIVRO_31

 

 

O VENTO PELA FECHADURA

 

E de gaiato no Book Haul de Junho: “O Vento Pela Fechadura”, também do Stephen King! Eu ganhei ele (obrigada pai!) agora em Julho, mas resolvi coloca-lo junto aqui porque… Nah! O mês apenas começou, não ia deixar o coitadinho de fora.

“O Vento Pela Fechadura” é uma especia de “side story”, que se passa entre os livros “Mago e Vidro” e “Lobos de Calla” , da serie “Torre Negra”. Eu já estava esperando, toda ansiosa, e feliz da vida, por este livro, porque, aparentemente a obsessão do Roland pela Torre Negra é altamente contagiosa, e eu estou nisso até a raiz dos cabelos.

 

LIVRO_30

 

 

E era isso! Dois destes livros eu sei que vou ler este mês, que são “O Vento Pela Fechadura” (já comecei!) e “Os Filhos de Anansi”. E, como todo mundo já sabe, “O Oceano no Fim do Caminho” eu já li, e tem resenha aqui no MLBT.

Deixe um comentário

UMA DOSE MORTAL [AGATHA CHRISTIE]

Uma dose mortalLivro: Uma Dose Mortal
Autor: Agatha Christie
Páginas: 224
Gênero: Literatura Estrangeira, Adulto, Romance, Ficção, Policial
Editora: L&PM
Avaliação:

SINOPSE

 

 

 

 

 

 

 

Um pacato dentista é encontrado em seu consultório com uma bala na testa e uma pistola perto da mão direita. Mais tarde, um de seus pacientes daquele dia aparece morto, devido a uma dose excessiva de anestesia local. Um caso evidente de assassinato e suicídio.
Mas por que o dentista cometeria um crime num dia de expediente movimentado?
A fivela prateada de um sapato é a chave para o mistério. Mas poderá Hercule Poirot descobrir a verdade em meio a tantas armadilhas?

 

EU LI

 

 

 

 

 

 

 

Depois de fazer a Tag: Jantar Literário, eu fiquei com vontade de ler um livro do Poirot, o que é sempre uma boa coisa, e este livro em especial estava muito divertido, porque a Agatha Christie resolveu tirar sarro dela mesma, fazendo varias piadinhas sobre livros de mistério (chamando o Poirot de personagem de livro escrito por uma velinha sem nada mais para fazer) e alusões ao próprio desaparecimento¹. Os livros da Agatha são sempre uma leitura leve, embora o tema gire entorno de algum assassinato, não exite melodrama, como na maioria dos livros do gênero. E outra vantagem que eles levam é: eu NUNCA descobri o assassino antes do final! Isso aconteceu com TODOS os outros livros de mistério ou policial que já li. Algumas vezes foi só o personagem aparecer e eu já sabia, outras levei um pouco mais de tempo, mas acabo descobrindo. Não é nenhuma genialidade minha, é só que os autores tornam tudo muito fácil. Mas a Agatha não. Nos deixar sem sabem quem é o assassino até o final é o objetivo dela, foi uma aposta que fez com a própria irmã, que tinha o mesmo probleminha que eu: sempre desvendava o mistério.

 
E falando no final… Eu dava risada quando tudo se desvendou, não era nada do que estava imaginando. Nem de longe. A desgraçada da Agatha me deu uma baita volta! Mas eu estou me adiantando aqui. Deixam-me falar um pouco sobre o livro: “Uma Dose Mortal” é (como eu já disse) com Hercule Poirot, detetive belga, bigodudo, cabeça de ovo, cheio de manias e dor de dente. Sim, o livro começa no consultório do dentista, onde o próprio morre (não estou dando spoilers, esta escrito na sinopse), felizmente, depois de fazer as obturações do Poirot. Tudo indica que o sr. Morley cometeu suicídio, dando um tiro na própria cabeça. Mas por quê ele faria isso? Aparentemente não tinha motivos. O que significa que alguém deve te-lo matado. Só que, de novo, por quê? O sr. Morley era a pessoa mais sem sal da face da Terra. A menos que ele estivesse envolvido em alguma conspiração? Vai saber… Leiam o livro!

 

PLAYLIST

 

 

 

 

 

 

 

Hm… Desta vez não tem playlist, porque eu fiquei meio, presa (por assim dizer) com “They’re Taking The Hobbits to Isengard”, e foi tudo que eu ouvi no ultimo fim de semana, desculpem…

 

¹ Sobre o desaparecimento da Agatha Christie: Existem teorias do porque ela sumiu, como marketing para o lançamento de um livro, ou para se vingar do marido, quem ela havia recém descoberto que tinha uma amante e foi tido como suspeito durante as investigações, mas tudo que se sabe é que o carro dela foi encontrado em um barranco, abandonado com todos os seus pertences dentro. Agatha ficou sumida durante 11 dias, e foi encontrada em hotel alegando sofrer de amnésia.

Deixe um comentário

LEITURAS DO MÊS DE JUNHO

Leitura do Mês

 

 

O mês de Junho foi uma bagunça, todo tipo de coisa aconteceu, e eu acabei lendo só três livros, que deveriam ter sido quatro, mas a minha irmã fez o favor de levar (sem querer) o carregador do José Eugênio (meu iPad, lembram?) para viajar, e eu fiquei sem bateria, e não pude terminar o livro que estava lendo em tempo, fazer o que… Acontece. Mas diferente de Maio, eu só li livros bons este mês – os em papel, na verdade, foram ótimos! Então, eu acho que Junho rendeu, no fim das contas.

 

 

Lendo com Jack

 

 

 

 

 

 

 

Os dois livros em papel deste mês entraram na lista de “Melhores do Ano”. YEY! É tão bom quando isso acontece. Mas não tinha mesmo como ser diferente, eles são do Neil Gaiman, que faz parte do meu “Os 4 Grandes “, ou seja ele é um dos meus quatro autores favoritos, e do Stephen King, que eu comecei a ler este ano, e por quem eu estou cada vez mais apaixonada. – Como pude viver tanto tempo sem ele?

 

LIVRO_01

 

SOB A REDOMA

Eu comecei a ler “Sob a Redoma” porque, as vezes, os livros me chamam, eles ficam sussurrando meu nome, e não param até serem lidos, o que, de fato, pode ser algum tipo de loucura, mas quem liga? E este foi o caso de “Sob a Redoma” do Stephen King. Eu ainda estava lendo “A Livraria 24 Horas de Mr. Penumbra”, quando os sussurros começaram, para minha sorte, porque este livro é o máximo! Eu estava um pouco apreensiva com a ideia de ler outro livro do sai King, que não fizesse parte da  série “A Torre Negra”, porque eu tenho PAVOR de filmes de terror e nunca li um livro neste estilo (não sei se teria as mesma reações, bem provável), e este estilo esta muito arraigado ao nome “Stephen King”, mas “Sob a Redoma” mal pode ser classificado como suspense (e eu sabia disso), só que ele é COMPLETAMENTE diferente de “A Torre Negra” (tudo é), e eu não sabia se iria gostar, mas SIM, sim, é muito bom! LEIAM!!!

 

LIVRO_02

 

O OCEANO NO FIM DO CAMINHO

Este livro foi o motivo de um belo mal-humor, nem eu estava me aguentando. Por quê? Simples: levou a vida e mais 6 meses para chegar! Que ódio! Eu comprei “O Oceano no Fim do Caminho” do Neil Gaiman, na pré-venda, e descobri que não faz o menor sentido, porque o livro não chega no dia do lançamento. Mas, até ai, tudo bem. O problema foi que passou a data limite de entrega e ele nem tchum, e eu fiquei esperando sem ler nada neste meio tempo, porque eu queria MUITO ler este livro, e nenhum outro que eu tentava começar me pegava, e a crise de abstinência faz coisas com as pessoas. Não me lembro a ultima vez que fiquei tanto tempo sem ler, foi quase uma semana! Mas… Quando “O Oceano no Fim do Caminho” FINALMENTE chegou, eu me esqueci de tudo isso, e foi o céu! Eu li o livro de um dia para o outro, presa em cada palavra e me sentindo extremamente feliz!

 

LIVRO_03

 

 

 

Lendo com JE

 

 

 

 

 

 

 

Para quem sabe contar, já deve ter notado que eu só li um eBook este mês, que foi….

 

cover_140a72ac-8c7c-4640-b1bc-08d9cdbd0651A LIVRARIA 24 HORAS DE MR. PENUMBRA

 

Como Resistir a um livro chamado “A Livraria 24 Horas de Mr. Penumbra”?  Não sei, porque eu não consegui. Não era nada do que eu estava esperando, mas, ainda assim, valeu a pena. Eu escolhi este livro pela capa e, é claro, pelo titulo, e estava esperando (não me perguntem porque, não sei) algo do gênero fantasia, e não poderia estar mais equivocada. E antes que alguém pergunte, eu não costumo ler sinopses, por isso não sabia sobre o que o livro falava realmente, o que não teria feito a menor diferença, porque a sinopse deste livro em especial não bate com a estoria de jeito nenhum. Mas no fim das contas foi uma boa leitura, não importa os motivos pelos quais eu a comecei, nem o que estava esperando.

P.S.: O autor é o Robin Sloan.

Deixe um comentário

SOB A REDOMA [STEPHEN KING]

111949294SZLivro: Sob a Redoma
Autor: Stephen King
Páginas: 960
Gênero: Literatura Estrangeira, Suspense
Editora: Suma de Letras
Avaliação:

 
SINOPSE

 

 

 

 

 

 

 

Em um dia como outro qualquer em Chester’s Mill, no Maine, a pequena cidade é subitamente isolada do resto do mundo por um campo de força invisível. Aviões explodem quando tentam atravessá-lo e pessoas trabalhando em cidades vizinhas são separadas de suas famílias. Ninguém consegue entender o que é esta barreira, de onde ela veio e quando — ou se — ela irá desaparecer. Os moradores de Chester’s Mill percebem que terão de lutar por sua sobrevivência. Pessoas morrem, aparelhos eletrônicos entram em pane ao se aproximar da redoma e a situação fica ainda mais grave quando a cidade se vê exposta às graves consequências ecológicas da barreira. Para piorar a situação, James “Big Jim” Rennie, político dissimulado e um dos três membros do conselho executivo da cidade, usa a redoma como um meio de dominar a cidade. Enquanto isso, o veterano da guerra do Iraque, Dale Barbara, é reincorporado ao serviço militar e promovido à posição de coronel. Big Jim, insatisfeito com a perda de autoridade que tal manobra poderia significar, encoraja um sentimento local de pânico para aumentar seu poder de influência. O veterano se une a um grupo de moradores para manter a situação sob controle e impedir que o caos se instaure. Junto a ele estão a proprietária do jornal local, uma enfermeira, uma vereadora e três crianças destemidas. No entanto, Big Jim está disposto até a matar para continuar no poder, apoiado por seu filho, que guarda a sete chaves um segredo. Mas os efeitos da redoma e das manobras políticas de Jim Rennie não são as únicas preocupações dos habitantes. O isolamento expõe os medos e as ambições de cada um, até os sentimentos mais reprimidos. Assim, enquanto correm contra o pouco tempo que têm para descobrir a origem da redoma e uma forma de desfazê-la, ainda terão de combater a crueldade humana em sua forma mais primitiva.

 

 

EU LI

 

 

 

 

 

 

 

Para quem nunca leu Stephen King, porque acha que ele só escreve terror, e este não é o seu estilo de leitura (nem o meu), não sabe o que esta perdendo. Eu mesma me neguei por um tempão a incrível experiencia que são os livros do sai King, até ser convencida pelo meu irmão a ler “O Pistoleiro”, que me levou para “ A Escolha dos Três”, e eu só parei no ultimo livro da serie “A Torre Negra” – que tem o mesmo nome, diga-se de passagem – e agora esta é uma das minha series favoritas de todos os tempos!!!

Mas esta não é uma entrada sobre a “Torre Negra” – bem que eu gostaria, mas não vou escrever para o nada virtual, sobre meus livros favoritos, e o MLBT não tem leitores (ainda), então, talvez no futuro…. Eu estou aqui para falar sobre “Sob a Redoma”, um livro incrível, que me pegou direto na primeira pagina, e depois eu é que não queria mais larga-lo. Por mim eu poderia ficar presa sob a Radoma por mais um tempão…

O titulo do livro já diz bastante sobre ele mesmo: uma especie de campo magnético (que eles chamam de Redoma) isola uma cidadezinha nos Estados Unidos, e é aquele Deus-nos-acuda, obvio. As pessoas fazem coisas que, normalmente, não fariam, motivadas por uma sensação de impunidade (já que as grandes autoridades do pais estão do lado de fora), ou movidas pela cegueira causada pelo instinto de sobrevivência. E tem aqueles que continuam normais, porque loucura pode ser coletiva, mas nem sempre, obrigada.

Quando eu disse que o livro me pegou não é só porque ele é muito bom (o que é mesmo), mas porque tudo acontece muito rápido, mal dava tempo para respirar, eu não conseguia parar de ler, era o bom e velho: “vou ler só mais este pedacinho para ver o que acontece”, mas quando me dava conta já estava presa com o próximo evento, que praticamente atropelou o anterior.

Houveram algumas partes que me deixaram bastante irritada, sim, porque… bom, as vezes, para a trama funcionar, os personagens pelos quais agente torce precisam ser meio burros, do contrário, não tem muito o que ler mesmo, mas da uma agonia. A vantagem é que sai King dosa bem os erros e acertos e, preciso admitir, as vezes eu torcia para o “vilão” da estoria, exatamente porque eu acho que burro tem mais é que pastar, e acabava virando Team Big Jim 4Ever! Mas, ao mesmo tempo eu ADOREI o Barbie, que é, mais ou menos, o lado bom da Força, e que não é, de jeito nenhum, burro, idiota ou tapado, bem pelo contrario, mas ele tem os recursos meio limitados, e aliados um pouco… hum… impulsivos, por assim dizer.

“Sob a Redoma” é um livro CHEIO de personagens, você praticamente conhece a cidade inteira, e fica intimo de cada um. Eu já ouvi pessoas reclamando sobre livros com personagens demais, que deixavam elas meio perdidas… Bom, não sei nada sobre estes livros que elas andaram lendo, mas isso não acontece com este. Cada um tem uma historia, um papel, e ninguém é negligenciado.

Eu só não recomendo “Sob a Redoma”, para quem não gosta de livros com sangue e violência, porque quando Stephen King descreve alguma coisa, você vai, com certeza, ficar com a imagem gravada na mente, e os acidentes são épicos! Mas fora isso, LEIA “Sob a Redoma”! Foi uma das minhas melhores leituras do ano.

 

 

PLAYLIST

 

 

 

 

 

 

 

Minha playlist para “Sob a Redoma”, modéstia a parte, é tudo de bom! Com destaque para “‘The Good Book”, do Tim Minchin, que combina muito com o livro, e NUNCA tocaria na radio WCIK, de Chester’s Mill…

SOB A REDOMA [OUÇA AQUI]

 

SOB A REDOMA PLAY1.Art Drawn By Vomit – the GazettE
2.Burial Applicant – the GazettE
3.The Cave – Mumford & Sons
4.Little Lion Man – Mumford & Sons
5.Burn It Down – Linkin Park
6.Lies Greed Misery – Linkin Park
7.Castle Of Glass – Linkin Park
8.The Good Book – Tim Minchin
9.Nothing Else Matters – Metallica
10.If Today Was Your Last Day – Nickelback
11.Sweet Dreams – Eurythmics
12.You’re The Voice – John Farnham
2 Comentários

TAG: JANTAR LITERÁRIO

LIVRO_16

Eu peguei essa Tag no blog da Michas (La Vie en Rose. CONFIRAM!), e a ideia é organizar um jantar e convidar 11  personagens de livros, maaaas…. existe uma regra (Para dar um pouquinho de graça, né?), cada um deles tem que se encaixar nas exigências abaixo, e uma que eu mesma impus, que consiste em: TODOS OS LIVROS TEM QUE ESTAR NA MINHA ESTANTE!. Vamos lá:

01. Um personagem que saiba cozinhar ou que goste de cozinhar.

Eu escolhi o Butler [Artemis Fowl], porque como mordomo e guarda-costas do Artemis, ele necessariamente tem que saber cozinhar (faz parte do trabalho), e não é qualquer massinha com queijo, mas todo tipo de prato sofisticado. E de quebra, já tenho o melhor aluno da academia da Madame Ko, para manter a ordem, se for preciso. Mas eu espero que não seja… Uh!

LIVRO_26

02. Um personagem que tenha dinheiro para financiar a festa.

Eu convido, não cozinho (sorte de todo mundo) e nem pago! Isso é muito gênio.

Bom… Eu tinha pensado em aproveitar que o Butler esta vindo e chamar o próprio Artemis, para financiar a comilança, mas por nada no mundo ele gastaria dinheiro com isso, e ele também não seria minha melhor alternativa, de qualquer forma… Cleópatra [As Memorias de Cleópatra], seria a melhor pedida! Com todas aquelas festas incríveis e suntuosas, pelas quais ela ficou famosa… Ela não pensaria duas vezes em aceitar. E eu posso ficar toda metida por ter uma rainha entre meus convidados. Yey!

LIVRO_21

03. Um personagem que cause uma cena.

Porque eu convidaria alguém que fosse causar uma cena? Pela emoção?

Essa foi uma exigência um pouco difícil, eu tive que pensar, e encarar a minha estante por algum tempo até fazer click, e a resposta ser completamente obvia. Como não? ZAPHOD BEEBLEBROX! [O Guia do Mochileiro das Galáxias] Quem melhor do que ele para fazer uma cena? E divertida!

LIVRO_20

Então ai esta, senhoras e senhores, minha lista de convidados já tem um mordomo/guarda-costas, uma rainha (super chique, eu), e um alienígena de duas cabeças, que por um acaso é um presidente criminoso procurado pela galaxia inteirinha! Estou indo bem até agora.

04. Um personagem que é divertido e que entretenha.

 A primeira pessoa que me veio a cabeça (direto) foi o Lestat [Crônicas Vampirescas], e eu cheguei a coloca-lo na lista, mas quando fui revisar me dei conta que ele é um VAMPIRO!  Não funcionaria. O coitado passaria o jantar inteiro só olhando os outros comerem, e então tomaria o sangue de todo mundo depois do cafezinho? Nop. Eu não sou uma Frey, os meus convidados entram vivos e saem vivos! É uma pequena regrinha, que funciona para mim.

Então eu rabisquei o nome do Lestat no convite e coloquei o do Will [Rangers – A Ordem dos Arqueiros], porque uma vez ele teve que se disfarçar de bardo, para dar uma de espião para o rei, e até que ele é bom, e toca uma musiquinhas divertidas, e toda boa reunião social precisa de alguém que toque algum instrumento, porque musica agrega!!!

LIVRO_17

05. Um personagem social ou popular.

Este foi tãããão fácil! E este convidado não é só social ou popular, ele é social & popular. Ele é…. Gandalf! [O Senhor dos Anéis] Existe alguém que não goste do Gandalf? – Fora os super-malvados, destruidores da Terra Média, por favor me poupem desta resposta.

Quem melhor do que o bom e velho Gandalf, para manter a paz e a ordem, com todo o tato, entre este monte de gente diferente que eu já convidei? Quero dizer, ele esta mais do que acostumado a lidar com a realeza élfica, humana e hobbits do Condado. Um jantar é moleza para ele. E… Bom, eu tenho esperanças que ele termine a noite com alguns fogos-de-artificio… Será que é pedir demais?

LIVRO_24

06. Um Vilão.

Mais uma vez eu me pergunto, como o causador de cena, porque eu convidaria um vilão? Mas eu conheço o cara perfeito para ocupar este lugar a mesa! Ou quase, talvez ele de um pouco de ansiá nos demais comensais, mas vamos esperar que não. Porque o Frankenstein, embora seja o vilão da estoria, é muito legal, e eu gosto muito dele. Só não sei do lado de quem eu vou senta-lo… E só para constar, eu estou me referindo a criatura, e não ao criador (que para mim é o verdadeiro vilão), e que na verdade não tem nome, mas todo mundo intendeu, né?

LIVRO_22

07. Um casal (que não precisa ser romântico)

Meu casal literário favorito, que eu acho mais perfeito ever, é Sherlock e Watson, mas eu não tenho nenhum livro do Sherlock Holmes na minha estante, então, infelizmente, não posso convida-los. Então, ainda seguindo a linha policial (ha ha), eu convidar o Hercule Poirot (lê-se Herrquile Poarrô) e o seu melhor amigo, o Robin para o seu Batman, capitão Arthur Hastings. E com isso eu dou um ar mais misterioso para a minha singela reuniãozinha, e de quebra aumenta nossa gama de tópicos.  Não tem como isso ficar tedioso!

LIVRO_23

08. Um herói ou uma heroína.

O meu herói vai dançar a Comala mais surpreendente de todos os tempos, que para quem não sabe é uma dança que faz os pés voarem até parecerem um borrão, muito tri!!! Eu já vi o Roland [A Torre Negra] fazendo isso, e garanto, é imperdível! Venha-venha-comala!

Mas não se iludam, o Roland é todo serio, e sem muita imaginação, então eu provavelmente vou senta-lo perto do Zaphod, para estimular aquela cena, sabem… Só espero que o Roland não dê um tiro em uma das cabeças do infeliz… Sera que ele só meio morre se isso acontecer?

LIVRO_19

09. Um personagem que seja subestimado.

Eu vou convidar o Ron [Harry Potter] e coloca-lo na cadeira mais confortável e suntuosa que puder arranjar, para que ele se sinta importante, e compensar o motivo per estar sendo convidado para o jantar, porque simplesmente NÃO É JUSTO!!! O Ron é um máximo e ninguém da realmente valor para ele, e eu não consigo intender o porque. Não faz sentido! E a J.K disse que só não matou ele porque o Rupert Grint é engraçado. O que? Como assim? Eu juro que teria parado de ler Harry Potter se o Ron tivesse morrido… Pronto, desabafei.

LIVRO_18

10. Um personagem a minha escolha. 

Olha que legal, posso escolher alguém que eu simplesmente goste!

Mas na verdade, eu fiquei meio sem opção aqui. Simplesmente não da para convidar o  Butler sem, forçosamente, convidar Artemis Fowl II. Meu cozinheiro tem um trabalho de tempo integral, fazer o que. Mas com ou sem Butler, eu iria dar um jeito de convidar o Artemis. Vou senta-lo bem do meu lado, e ficar só ouvindo os comentários dele… Tão bom…

LIVRO_25

E ai estão todos os meus 11 convidados (espero que caibam todos aqui em casa). Que bagunça! Tem gente de tudo quanto é lugar e tempo, e de todos os tipos. Eu só espero que o Butler seja mais flexível com o menu, e NÃO consulte o Artemis. Sério, não estou afim de comer caviar e cação, obrigada.

Para finalizar: quem quiser fazer esta Tag (que eu achei divertidíssima), sinta-se a vontade, e ponha o link nos meus comentários porque eu quero ver, seja em vídeo ou um post como o meu. E eu vou acrescentar no fim desta entrada para que outras pessoas vejam, também.

A resposta da Michas para esta Tag esta no link logo abaixo, deem uma olhada, as respostas dela (com exação de uma), são bem diferentes das minhas.

TAG; JANTAR LITERÁRIO [Michas]

E, a modelo, que roubou o brilho de todos os livros, é a minha Agatha (adivinhem porque), e eu não consigo fazer nada sem ela , minha parceira de leituras.

Deixe um comentário

O OCEANO NO FIM DO CAMINHO [NEIL GAIMAN]

oceano-no-fim-do-caminhoLivro: O Oceano no Fim do Caminho
Autor: Neil Gaiman
Páginas: 208
Gênero: Literatura Estrangeira, Adulto, Romance, Ficção
Editora: Intrínseca
Avaliação:

SINOPSE

 

 

 

 

 

 

 

Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino.

Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.

 

EU LI

 

 

 

 

 

 

 

A espera pelo “O Oceano no Fim do Caminho” foi uma tortura, poque eu simplesmente AMO Neil Gaiman, des do primeiro livro dele que li: Belas Maldições (leiam!) Neil é um autor incrível –  principalmente para quem gosta de fantasia – ele vive entre o infanto-juvenil e o adulto, não caindo para um ou para outro, mas entre, não importa como o classifiquem. E com “O Oceano no Fim do Caminho” não é diferente.

A estoria é narrada por George, um homem com seus quarenta-e-muitos anos, que volta para o lugar onde cresceu e acaba diante do lago de Lettie Hempstock, que desencadeia as lembranças de quando ele era um garotinho de 7 anos. E esta é uma das coisas que gosto  no livro, a narrativa é de um adulto, mas as reações e a logica são de uma criança, coisas incríveis acontecem diante dos olhos dele, na vida dele, mas que são aceitas com facilidade infantil, sem questionamentos, e o mundo é dividido entre adultos e crianças, que comem diferente, falam diferente e, principalmente, veem tudo de um jeito diferente.

“O Oceano no Fim do Caminho” é uma aventura que toda criança gostaria de ter vivido (pelo menos eu gostaria), com um pouco de magia e mundos completamente diferentes, mas sem ir muito alem do quintal de casa, e que consequentemente nos faz lembrar da nossa própria infância.

Quando terminei de ler o livro, pensei: “O Oceano no Fim do Caminho” é um conto de fadas, e eu estou completamente apaixonada por ele.

Façam um favor a vocês mesmos e LEIAM “O Oceano no fim do Caminho”, não vão se arrepender – e se acontecer podem vir reclamar, mas eu duvido.

 

PLAYLIST

 

 

 

 

 

 

 

A Playlist é Mumford & Sons, porque eu simplesmente não consegui ouvir Gilbert e Sullivan, UH!

MUMFORD & SONS [OUÇA AQUI]

 

Mumford-Sons-Sigh-No-More-Cover-290x2901.Sigh No More
2.The Cave
3.Winter Winds
4.Roll Away Your Stone
5.White Blank Page
6.I Gave You All
7.Little Lion Man
8.Timshel
9.Thistle & Weeds
10.Awake My Soul
11.Dust Bowl Dance
12.After The Storm